segunda-feira, abril 26, 2010

Youth. Sonic Youth. #3

Num alinhamento dominado pelo "The Eternal", ainda tocaram pérolas como "Shadow of a Doubt" (do "EVOL"), e "Schizophrenia" e "Stereo Sanctity" (de um dos meus favoritos de sempre, o "Sister"). Quanto ao encore, sem supresas, e ainda bem, avançaram para "The Sprawl" e "Cross the Breeze" do seminal "Daydream Nation".

Agora terem terminado o arraial com "Death Valley 69" - do "Bad Moon Raising" e uma das melhores malhas da história das malhas, - é que já não estava, de todo, à espera. Dentro de uma bolha egoísta, ainda pensei que era um teste-surpresa às minhas capacidades de conteção emocional. Mas não. Estava a acontecer mesmo. No fim, fui para o balcão da Solmar dissecar tudo aquilo com umas imperiais e um prego. E esse processo ainda não terminou. Que bom.

Youth. Sonic Youth. #2

Sobre a banda, uma única coisa a dizer. Eles são a verdade.

Youth. Sonic Youth. #1

Quinta-feira passada fui ver o Benfica do rock.

domingo, abril 18, 2010

This is Italy

«E depois encheu-se de coragem dizendo para consigo que os grandes sempre tiveram que subir na vida sozinhos. Por exemplo, o Eminem, ou o Hitler, ou o Christian Vieri.»

in "Como Deus Manda" de Niccolò Ammaniti

quarta-feira, abril 14, 2010

Pater familias #9

Ou a ZDB anda com a mania que é melhor que os outros (e é) ou ainda não percebeu que tive uma filha há trinta e um dias. No espaço de dois meses apresenta uma agenda que esmaga. Ele é Sensational & Spectre, ele é Times New Viking, ele é Lee Ranaldo, ele é Rafael Toral, ele é Tó Trips, ele é Shellac, ele é No Age, ele é Bonnie "Prince" Billy... Da minha parte, a rendição é o último dos recursos, mas um pouco de parcimónia nunca vez mal a niguém. Gulosos.

O povo é sereno

Há vida para além da Pitchfork.

Seguidores

Arquivo do blogue